Área Pública
»

Página Inicial

Comissão Pedagógica
Escolas Associadas e Entidades Parceiras
Estutura do Centro
Formulários
Inquéritos
Publicações e Recursos
Legislação
Centros de Formação
Contactos do Nova Ágora

Ação de Formação
 

Curso de Formação - PERCURSO(S) NAS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO: 1.º CICLO DE CONFERÊNCIAS




Todas as informações disponíveis AQUI

Inscreva-se AQUI

Palácio Sacadura Botte - Coimbra

Início a 18 de novembro de 2017


 


AÇÃO DE CURTA DURAÇÃO - A aprendizagem das células: biologia reprodutiva e células estaminais




Todas as informações disponíveis AQUI

Inscreva-se AQUI até às 12h00 do dia 16 Nov. 2017

Centro de Neurociências e Biologia Celular, Universidade de Coimbra

20 e 22 de Novembro, das 18h às 20h


 


Ação de curta duração - MANUEL ANTÓNIO PINA – Pensar de Pernas para o Ar




Todas as informações disponíveis AQUI

Inscreva-se AQUI

Coimbra

11 e 18 de novembro de 2017


 


PLANO DE FORMAÇÃO DO NOVA ÁGORA - CFAE 2016-2019






Consulte o pdf



 

 
ACD57-1 - Garçonnes, cabelos à Joãozinho e melindrosas: uma nova imagem feminina no pós-Primeira Grande Guerra

Nº ACREDITAÇÃO:

Formadores
 



 
Local de Realização
  Escola Básica n.º 2.º de Condeixa-a-Nova
 
N.º de Horas

   Presenciais:
 Não Presenciais:
 
Calendarização
  8 de março de 2017, das 14h30 às 17h30
 
Modalidade
  Ação de curta duração
 
Destinatários/Público Alvo
  PESSOAL DOCENTE: professores do 3º ciclo do ensino básico e do ensino secundário, dos grupos das humanidades.
 
Objetivos
  A emergência de um novo visual da mulher traduz uma nova forma de se colocar no mundo do pós-guerra enquanto paralelamente outras formas de afirmação surgem através por exemplo dos movimentos feministas ou a inclusão da mulher no mundo do trabalho. O novo corte de cabelo era identificado com atitudes contestatárias que poderiam pôr em causa o tradicional papel das mulheres na sociedade. Por outras palavras, a garçonne dos anos 20 estava associada a uma ideia de modernidade e simbolizava toda uma mudança de mentalidade em relação à mulher burguesa tradicional, identificada sobretudo pelas suas funções domésticas, como esposa e mãe de família.

Como a ação de formação irá decorrer no momento em que a companhia Visões Úteis leva ao Cine-Teatro de Condeixa a peça Romance da Última Cruzada, pretende-se, assim, também que a formação dos professores permita desenvolver programas de acesso à peça e, com isso, que os alunos assistam ao espectáculo tendo também esta formação como objetivos potenciar a preparação dos docentes para fomentar.
 
Conteúdos
  “Garçonnes, cabelos à Joãozinho e melindrosas: uma nova imagem feminina no pós - Primeira Grande Guerra”
1. A garçonne: mito e realidade dos Anos Vinte
2. O caso português: a construção da cabelos à Joãozinho. Contextos, factores e impactos
2.1. Ser moderna numa sociedade conservadora. Limites e condicionalismos.
3. Conclusão

Nos Anos Vinte, no pós-Primeira Grande Guerra, emerge, sobretudo em meio urbano, a figura da garçonne como símbolo da mulher moderna, a qual rompe com o conceito tradicional de feminilidade identificado pelo estereótipo da mãe, esposa e dona-de-casa. Designadas em Portugal e no Brasil respetivamente por “cabelos à Joãozinho” e “melindrosas”, as garçonnes eram identificadas pelo cabelo curto, roupas ligeiras e novas atitudes que chocaram a sociedade do seu tempo, suscitando críticas em todos os sectores, em particular nos meios conservadores e moralistas mais intransigentes. Os críticos mais acérrimos definiam-nas por “nucas rapadas, saias pelo pescoço e decotes pelo joelho”.
As etapas da divulgação da moda à la garçonne, os modelos e as referências estéticas, as reações, os condicionalismos e o seu impacto na sociedade de consumo, bem como os enquadramentos históricos que ajudam a explicar o aparecimento desta nova figura da modernidade que tanto escândalo causou na sua época são alguns dos aspectos abordados, concluindo-se que, no caso português, face ao conservadorismo vigente, as mudanças foram reduzidas, limitadas aos aspectos visuais.

* Irene Vaquinhas
Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. É Diretora do II Ciclo de “História, Especialidade em Museologia” e membro do Conselho Científico da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Os seus interesses científicos e temas de investigação incidem sobre a História económica e social dos sécs. XIX e XX, muito em particular, a história rural, a história da violência, a história das mulheres e a história da vida privada. Tem publicado vários trabalhos nestas áreas entre os quais: Violência, justiça e sociedade rural. Os campos de Coimbra, Montemor-o-Velho e Penacova de 1858 a 1918 (Porto, Edições Afrontamento, 1996); “Senhoras e mulheres” na sociedade portuguesa do século XIX (Lisboa, Editorial Colibri, Janeiro 2000); “L´ historiographie sur les femmes au Portugal: le XIXe siècle”, Écrire l´histoire des femmes en Europe du Sud XIXe-XXe Siècles. Writing Women’s History in Southern Europe 19th-20th Centuries” (Oeiras, Celta Editora, 2003, pp. 49-66); Nem Gatas Borralheiras, Nem Bonecas de Luxo. As Mulheres Portuguesas Sob o Olhar da História (Séculos XIX-XX)", (Lisboa, Livros Horizonte, Junho 2005); "Nome de Código 33856. Os "jogos de fortuna ou azar" em Portugal entre a repressão e a tolerância. (De finais do século XIX a 1927)" (Lisboa, Livros Horizonte, 2006). Colaborou na História de Portugal, direção de José Mattoso, vol. V. - O liberalismo (1807-1890), Lisboa, Círculo de Leitores, 1993.
 
Metodologia
  Exposição teórica e parte prática com análise e discussão de textos e imagens.
 
Creditação
  Não aplicável.
A Ação reúne as condições para ser reconhecida como Ação de Curta Duração, de 4 horas, nos termos do Despacho n.º 5741/2015, de 29 de maio, para os efeitos previstos no Estatuto da Carreira Docente.
 
Observações
  A Ação é uma parceria com a Cooperativa Hermes, no âmbito do projeto “Outras vozes, outra gente – Mostra em rede de teatro documental”

PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 23 de fevereiro a 6 de março de 2017

PRIORIDADES DE SELEÇÃO: 1ª Docentes do Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova; 2.ª Docentes das escolas e agrupamentos associados do Nova Ágora-CFAE, por ordem de inscrição; 2ª Outros docentes, por ordem de inscrição.

OBSERVAÇÕES:
1 - N.º máximo de formandos a selecionar: 25
2 - Só serão consideradas válidas as inscrições no âmbito das prioridades de seleção definidas (consultar PRIORIDADES DE SELEÇÃO)
3 - A inscrição on line é uma pré-inscrição a qual só é validada com a confirmação dos dados nos serviços administrativos da escola do docente/não docente e com a aceitação da ficha de inscrição pelo CFAE.
4 - Deve verificar a sua seleção, no prazo indicado, na página do CFAE. Os inscritos não selecionados não serão contactados.
5 - Em caso de número insuficiente de inscrições, o CFAE reserva-se o direito de cancelar a formação;
6 - A calendarização pode vir a sofrer alterações;
7 - A inscrição na formação pressupõe a aceitação de que, para efeitos dos procedimentos relacionados com a formação, será prioritariamente notificado(a) através de correio eletrónico.
 
Avaliação
  Avaliação da Ação pelos formandos e pelos formadores.
 
Avançar